quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Para que não haja guerra civil...

...Alváro Santos Pereira propõe o fim dos feriados do 5 de Outubro e do 1 de Dezembro. Assim não há favorecimento em relação aos Republicanos nem aos Monárquicos e evita-se o que se esperava ser uma guerra civil neste país por causa dos feriados.

Quem fica a ganhar com tudo isto é a Igreja que continua com os seus feriados religiosos no bolso. Assim, é um dado garantido que nesses dias o pessoal vai à missa!

terça-feira, 24 de janeiro de 2012

País de cavacos

As recentes palavras infelizes do Presidente da Republica provocaram na opinião publico um chorrilho de criticas que temem em não parar.

Quem começou foi Marcelo Rebelo Sousa, seguido por Miguel Sousa Tavares, entre outros. Há quem peça a demissão do PR quando este faz o seu segundo mandato.

Em frente a Belém milhares levam uma moedinha ao seu inquilino para que este não se sinta pobre. Na net a petição contra a demissão do PR já vai nos 170 mil.. quantos milhões terão votado em Cavaco?


Sem desculpar o actual PR, acho que em Portugal está instalado o culto do oportunismo e chicana política. Não consigo encontrar mais nenhuma palavra para as acções de mobilização que o povo organiza quando um político tem uma palavra menos feliz. Vivemos o tempo do soundbyte e dos mal entendidos. Foi com Socrates no caso da dívida, com Passos Coelho por causa da emigração e agora é Cavaco quem leva por tabela devido à sua declaração que por certo terá sido mal interpretado. E agora acontece o mais do mesmo : os mesmos de sempre a falar sobre umas declarações e os comentadores do costume a inventaram cenários.


Isto tudo acontece devido à falta de qualidade da nossa política mas também de quem tem a responsabilidade de analisar e comentar. Porque como sabemos "quem conta um conto acrescenta um ponto" e assim chegamos ao ponto de passarmos dias e dias preocupados com coisas sem relevância. A blogosfera também alimenta isto.

sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

O ponto de viragem

Esta semana o Governo conseguiu duas vitórias que podem levar a um ponto de viragem na situação económica e social do país.

O acordo tripartido para a reforma laboral que Passos Coelho e sobretudo, Alváro Santos Pereira conseguiram foi um passo em frente. Como era natural, a CGTP não assinou o acordo mas com a saída de Carvalho da Silva pode ser que novos ventos cheguem à intersindical.

Para quem achava Alváro como o elo mais fraco do governo, o Ministro da Economia conseguiu uma excelente vitória dando um passo firme para que haja estabilidade social no nosso país e legislação mais flexivel. Sobretudo que proteja as empresas e não apenas os trabalhadores, como acontecia anteriormente.


Hoje é o Ministro das Finanças que fala em ponto de viragem, isto porque o défice ficará abaixo do estabelecido pela troika. Isto dito por Gaspar merece a maior credibilidade, e temos razões para crer que, apesar da crise grega e europeia, Portugal não será mais um cair no fundo do Euro.


segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

Nomeações na EDP

As nomeações politicas para a EDP mostram bem como o sistema está viciado. Sejam do PS, PSD ou CDS a história é sempre a mesma e não vale a pena virem dizer-nos que desta é que é diferente. Pensava que com a entrada dos chineses na empresa, quem vinha tomar conta disto era o senhor Xhang, Xiu Ling ou Yobo.
Mas não. Parece que António MeChina se mantêm como Presidente e agora a nomeação de Catroga, esse político que por pouco não destruiu a campanha eleitoral do actual Primeiro-Ministro.



Os vícios mantêm-se mas a Republica segue o seu caminho tranquilamente. E o povo amocha à espera que a sua oportunidade chegue.




quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

Jerónimo é que sabe

Não percebo esta onda de revolta à volta da mudança de Sede da Jerónimo Martins. Foram os impostos? então e depois?


Tal como as pessoas, também as empresas estão a sair do país. Porque este não lhe dás oportunidade a nível económico, social e até fiscal. Os impostos são muito altos para quem quer começar um negócio, principalmente quando se trata de PME´S. Este é um dos problemas do nosso Portugal. Resolve-se tudo com o aumento de impostos quer para as pessoas, quer para as empresas. É um problema que muitos governos têm gerido mal. Há défice? então é de aumentar os impostos para arranjar mais receitas.


Não foi a Jerónimo Martins e milhares de pessoas que desistiram do país, mas foi o país que já desistiu da Jerónimo Martins e de outros quadros que vão para o estrangeiro alcançar sucesso.


Pelo que não é razoável o comentário de Nicolau Santos no Expresso Online. Bem como o coro de criticas que circula por essa blogosfera fora.


Razão tinha o Primeiro-Ministro....


segunda-feira, 2 de janeiro de 2012

Entrar a Fiscalizar e bem!

Para quem criticava a passividade deste governo em reduzir o défice apenas pelo lado da receita aqui está uma novidade : A Nova Autoridade Tributária e Aduaneira vem para combater a fraude e evasão fiscal, uma das prioridades deste governo bem como da troika.


A AT resulta da fusão de três direcções gerais, entre as quais a famosa direcção geral dos Impostos. Com esta medida o governo elimina 15% dos cargos dirigentes na Administração Publica. Aqui está uma resposta a quem achava e que não via nenhuma medida do governo relativamente ao corte na gordura do Estado.


Numa só entidade junta-se Impostos e questões relacionados com as fronteiras.


Este é o primeiro passo de um caminho que se espera longo, porque há por aí muita Direcção Geral que não interessa para nada e pode integrar-se em qualquer sitio.


Para já, o Governo inicia 2012 com uma medida acertada.


domingo, 1 de janeiro de 2012

Crónicas de Domingo - Incerteza 2012

O ano que hoje começa será de enorme incerteza.

Uns adivinham que será o pior de sempre para Portugal mas também para o Mundo, outros acreditam que pode ser o ano das grandes mudanças a nivel social, económico e politico.


Por tudo isto 2012 será um ano extremamente interessante de acompanhar. Senão vejamos: As eleições nos Estados Unidos, Alemanha e França determinarão muito aquilo que irá ser o futuro da Europa mas também do resto do Mundo. Em Portugal o Governo tem um teste muito importante. Será alvo de forte contestação social mas a saída de Carvalho da Silva da CGTP poderá acalmar a rua. Seguro também terá um ano decisivo na liderança do PS. Veremos como se comporta caso o executivo decida lançar mais medidas de austeridade.


Mas nada disto está indissociável áquilo que se passará na Europa. Como referi anteriormente as eleições francesas e alemâes serão de extrema importância. Mais as francesas do que as germânicas. O futuro de Portugal também se joga naquilo que se passar na Grécia e nas inúmeras reuniões do Conselho Europeu que se realizarão durante o ano para tentar resolver o problema do Euro e da dívida pública. Uma coisa é certa, no segundo semestre de 2012 ficaremos a saber se o Euro sobrevive ou não.


Perante isto, é possível que 2012 seja um ano de arranque para mudanças estruturais que possam influenciar a vida de todos nós.