terça-feira, 29 de novembro de 2011

Consumismo na crise

Estamos a chegar à altura do Natal e a loucura dos presentes e da ida às lojas está a começar. Ou será que não?


Pois, este ano tudo vai ser diferente no nosso país mas também no resto do Mundo. Em vez das habituais correrias às lojas para comprar tudo para todos e inclusivamente para nós próprios, a maior preocupação vai ser gastar o menos possível. Tudo será diferente e a lembrança será pequena mas com valor porque não há muito na carteira. E ainda há a agravante de muitos não terem o subsídio de natal pela primeira vez.


Com isto, perdem os comerciantes que venderão muito menos mas também é uma realidade que possuem menos produtos para comercializar. A crise é isto mesmo e este natal vai-se fazer sentir em todos os sectores da sociedade portuguesa. Isto para contrariar aqueles que dizem que a crise só afecta uma parte da população.


Apesar da quebra no consumismo é certo que haverá algumas excepções, até porque comprar e gastar está na genese do português que só olha para a conta bancária quando está no fim. E depois pede um empréstimozito para comprar a calça de ganga que falta.



segunda-feira, 28 de novembro de 2011

A Lei de Damasco

A Síria é o quarto país este ano que está a ser atingido por aquilo que se chama de "Primavera Árabe" que começou no príncipio na Tunisia e atravessou o ano todo afectando países como o Egipto e a Libia. Esta revolução nos países orientais promete continuar por muito e bom tempo.....


É curioso o facto de não existir quedas de ditadores ao mesmo tempo, isto é, cada um tem caído um a seguir ao outro, como que fosse de propósito. É obvio que as manifestações já há muito começaram mas é preciso atenção mediática, por isso é que cada país vai intensificando a revolução após a queda de um ditador. A excepção foi no IEMEN, onde quase ninguém reparou que o Presidente Saleh abdicou do seu poder em troca de não ser julgado ou mesmo morto.


A Siria vai ser um caso mais complicado, porque o regime é forte bem como o poder militar. Tal como no Egipto, Bashar Al Assad controla o poder militar e a população. Também é visivel que a NATO não se está para chatear.


Veremos qual a posição da Liga Árabe que tem apoiado incondicionalmente as revoluções que tem acontecido naquela região do globo, mas agora há um pequeno problema.


A situação de caos no Egipto Pós-Mubarak pode fazer que alguns manifestantes mudem de ideais e deêm um passo atrás.


domingo, 27 de novembro de 2011

Chama Imensa

Ontem o Benfica venceu o Sporting por 1-0 e isolou-se no primeiro lugar do campeonato. Após empates no Dragão, Braga e vitória sobre o rival o clube da Luz tem agora uma série de jogos de grau de exigência menor até voltar a receber o FCP no seu estádio. O que só acontecerá em meados de Fevereiro. Enquanto por outro lado, os rivais na luta pelo titulo ainda se vão defrontar por pelo menos três vezes.
Ontem foi dado um grande passo e parece que o Benfica campeão de 2010 está de volta.
Para já vai em grande estilo no campeonato, Liga dos Campeões e Taça de Portugal, isto só prova que a qualidade do plantel encarnado é enorme. Muita acima do Sporting que vai agora ter que conviver com o facto de ter perdido novamente.
Hoje jogam FCP e Braga no que promete ser um duelo interessante, veremos se os bracarenses dão uma ajudinha ao Benfica.
Uma nota para o incêndio de ontem à noite na Luz. Uma vergonha aquilo que se passou. Pena que os adeptos leoninos não compreendam que a caixa de segurança é para maior conforto. Quereriam ficar no 1º piso todos amontoados e com pouca visibilidade? Há coisas que não se percebm.....
Mas ao que os adeptos sportinguistas fizeram na Luz, o Benfica respondeu em campo com uma grande cabeçada de Javi Garcia.

sábado, 26 de novembro de 2011

O mediatismo em torno de um derby

Escrevo estas linhas antes do derby lisboeta entre Benfica e Sporting.
Não para falar do jogo em si nem dos artistas, mas para abordar o mediatismo que ao longo dos anos estes grandes jogos ocupam na antena e também na vida dos portugueses. Convêm esclarecer que todo e qualquer desporto tem as suas rivalidades e afrontações, e o futebol como desporto de massas não poderia deixar de fazer valer as suas diferenças.
O que acontece em Portugal é muito menor em relação ao que se passa em Espanha, Italia, Inglaterra ou mesmo na Argentina. Quando duas equipas da mesma cidade se enfrentam, é accionado o estado de sítio.
Antes ninguém ligava a estes jogos senão os próprios adeptos das duas equipas, hoje com a televisão e os canais por cabo tudo mudou.
O antes, durante e depois do jogo é acompanhado pelo canal responsável pela transmissão mas também pelos canais de notícias das generalistas. Com o quinto canal vamos ter de aturar mais um News TV.
Desde a partida do autocarro, à chegada das claques ao estádio tudo é acompanhado ao pormenor. Para que todos possam participar é preciso fazer sondagens com o habitual, "quem vai vencer"?
Pelo estudio dos canais passam milhares de convidados a debitar sobre o mesmo. Quem é o favorito, quem está em melhor forma, ahh e não esquecer os preparativos da segurança para que não haja problemas. Infelizmente quando não há disturbios é menos um aperitivo para as televisões que adoram confusão e pancadaria, ainda para mais num estádio de futebol!
Hoje ninguém faz nada porque está a acompanhar in loco o desenrolar do derby. Pede uma pizza e uma cerveja e a seguir ao jogo tem de seguir o que milhares de anónimos dizem sobre o resultado.
É isto que as televisões procuram : dar às pessoas motivos para que fiquem ligados à sua antena. Tal como acontece noutros eventos politicos ou mesmo na casa dos segredos ou Pesos Pesados; o motivo é sempre o mesmo : que as pessoas fiquem sintonizadas, ao ponto de comerem a olhar para o ecra. Isto ajuda para quem vive sozinho e ainda não constituiu familia, mas é certo que destroi o ambiente familiar que um sábado à noite pode e deve proporcionar.
A televisão transformou estes eventos em algo mediático exactamente para que as pessoas acompanhem tudo sem sair do sofá....
E não tenham a paciência e a vontade para ir ao Estádio ou assistir ao evento in loco.
Eu ainda me lembro de ter ouvido o famoso 6-3 em Alvalade pela rádio. Hoje isso seria impensável.

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Urgente regular o mercado de combustiveis

Tive hoje acesso a um quadro em que mostrava a comparação entre o preço dos combustiveis nos vários países da União Europeia, mas também do resto do Mundo.
Portugal como não poderia deixar de ser figurava entre os mais caros. Em Espanha, onde uma das petroliferas que está presente em Portugal tem a sua sede; os preços de gasolina e Gasoleo são quase 1,5 mais barato.
A primeira questão é de saber qual a razão para que no nosso país o combustivel esteja tão caro. Serão os impostos, o mercado, a concorrência entre as três maiores companhias, a possibilidade de se conseguir ludribiar a fiscalização..... este é um assunto enigmático.
Posto isto, é necessário uma regulação europeia sobre a questão e não deixar aos agentes nacionais a possibilidade de abrir o mercado e assim as companhias são livres de impor os preços que entenderem.
Se a UE quer retirar soberania orçamental a alguns países, então também tem de actuar neste domínio. Parece que a Europa só se preocupa com questões relacionadas com orçamento e austeridade. Quando se trata os consumidores esquece-se um bocado do seu papel de regulador.
Esta não é uma questão menor. É muito importante que no Espaço UE haja uma convergência de preços, sendo que os países onde exista maior pobreza se deveria praticar preços mais baratos, mas infelizmente é o contrário que acontece.
Neste domínio a livre concorrência está a prejudicar os consumidores, sobretudo os portugueses.
Quem fica a ganhar com isto é Espanha pois são milhares os portugueses que atravessam a fronteira para comprar caramelos e atestar o depósito.

Bem vindo ao clube Mario

Mario Monti é o novo membro do clube que anteriormente era composto pelo eixo franco-Alemão.

Angela Merkel e Nicolas Sarkozy decidiram fazer uma troika europeia, porque estavam a ver que a relação a dois não estava a dar resultados. Ou então para não criar mais suspeitas relativamente ao romance que existia entre os dois decidiram convidar alguém para disfarçar a "coisa".


Falando mais a sério, este aparecimento da Itália no Clube Privado dos Países que Decidem o Futuro dos Outros é de gerar desconfiança. Se por um lado, aplaudimos a abertura do CPPDFO( sigla do Clube) a outros países, não se percebe porque continuam os outros 14 ( + os excluídos) fora do diálogo e do centro de decisões. Pior ainda, não se percebe a razão de Bruxelas ser completamente ignorada. Se as Instituições europeias não servem então que se faça qualquer coisinha naqueles edificios. Uns apartamento ali era bem pensado!


Até porque se a razão de outros não terem sido convidados é o facto de serem economicamente débeis, não se entende a inclusão da Itália num momento em que este país está a viver grandes dificuldades financeiras. E então a Espanha? Rajoy não merece ser chamado ou vai ser o quarto membro?


A zona euro precisa de solidificação e união e não deste tipo de conferências ou encontros a três que mais parecem uma forma de criar nos outros países a ideia que existe uma europa de primeira e os outros, ainda por cima quando todos sabem que um dos principais problemas da Europa é a falta de união política mas também social. Há falta de solidariedade institucional nesta União. Pelos vistos Mario Monti foi também convidado para decidir do futuro de Portugal, Irlanda e Grécia mesmo estando a Itália numa situação parecida com os três ostracizados.


Ou então Merkel e Sarkozy não gostavam mesmo de Berlusconi... e de Passos Coelho gostam?

terça-feira, 22 de novembro de 2011

O falhanço da Praça Tahrir

O primeiro governo egipcio pós-mubarak demitiu-se devido às dificeis circunstâncias em que o país atravessa com recorrentes manifestações.

Afinal nem tudo são rosas após a queda do ex-ditador e como se esperava há dificuldades em manter a ordem publica.

O regressos dos manifestantes à Praça Tahrir só pode indiciar uma nova onda de protestos contra o poder militar que detêm o controlo político do país desde Fevereiro.

Também não ajuda o facto de naquele país existirem várias tendências religiosas que pretendem, como é óbvio, alcançar o poder.

Há quem ataque a Junta Militar e a acuse de se querer perpetuar no poder para além do admissível. Esta Junta são pessoas ligadas e de confiança de Hosni Mubarak. É verdade que este já está encarcerado, mas nada nos garante que o regime não se prolongue, agora com diferentes mas com objectivos distintos.

Ao contrário da Tunisia, onde as eleições já tiveram lugar, no Egipto vai ser dificil implantar uma democracia pura e dura que corresponde aos anseios da população que permaneçe na Praça Tahrir.

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

No mesmo caminho..

Portugal e Espanha estão no mesmo caminho, no que à politica diz respeito. Curioso o facto dos governos dos dois países serem da mesma cor política ao mesmo tempo.
Também os anos de prosperidade tiveram uma facção : a direita. Em Portugal com Cavaco Silva e em Espanha com Aznar.
Ambos os países tiveram dificuldades financeiras sob a responsabilidade de governos socialistas. Portugal teve de recorrer à ajuda externa, Espanha vai no mesmo caminho....
Os dois povos deram um cartão encarnado ao partido socialista por causa da crise e viram na Direita a solução para resolver a crise e iniciar um processo de recuperação económica.
A ver se União Ibérica se mantêm também neste capitulo...

sábado, 19 de novembro de 2011

Paulo Bento de Azul e Branco

Escrevo estas linhas quando o FC Porto já está eliminado da taça de Portugal após cair aos pés da Académica por uns expressivos 3-0.
Depois de na terça feira ter feito um ultimato ao próximo presidente da Federação, que se não renovar antes do Euro 2012 sairá depois da prova, o certo é o actual seleccionador se sentar no banco dos azuis e brancos na próxima temporada.
Vitor Pereira ficará no banco até a paciência de Pinto da Costa durar, mas depois de sair da taça de Portugal, da champions estar comprometida ( e a liga europa não está confirmada...), haverá novo timoneiro no dragão na próxima época.
Tendo em conta o feitio do actual seleccionador que não volta atrás com a sua palavra, é de esperar que o Euro 2012 seja o fim da caminhada de Bento na selecção, até porque a selecção não vai renovar contrato sem conhecer os resultados da Polónia e da Ucrânia. Não há ninguém que o faça, porque haveria de Bento ser uma excepção?
O facto de ter anunciado a sua intenção logo após o apuramento e em conferência de imprensa mostra bem o jogo de bastidores que já está feito. Pedro Emanuel e a sua equipa deram um empurrão, mas outras equipas também o farão para bem dos clubes de Lisboa e do Braga.
Como é óbvio nenhum dos candidatos a Presidente da FPF gostou das declarações de Bento e com certeza que não vão renovar antes dos resultados.
Até lá Vitor Pereira continua ou então o leme passa para o mágico Rui Quinta.

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Fim da Republica

É verdade, o feriado de 5 de Outubro, dia da implantação da República vai acabar. Não que não se comemore este dia com toda a pompa e circunstância, mas a trabalhar e a fazer a vidinha normal.


Esta foi uma derrota para os republicanos e uma vitória para os Monárquicos. Sim, porque o dia da Restauração e o 10 de Junho vão-se manter como feriados e é mais um dia para o pessoal ficar na cama até ao meio dia e reflectir sobre o que aconteceu há 5 mil anos atrás. Agora de certeza que os Monárquicos vêm reclamar um referendo ao regime. Já li na blogosfera reinvindicações destas. Até porque o dia deles é feriado e o data mais importante para os republicanos já é dia de trabalho, o que quer dizer que é insignificante e não tem valor nenhum. Portanto, bora acabar com a Republica e instaurar uma Monarquia cheia de feriados.


Não percebo qual a razão do governo ter acabado com este dia tão importante para todos os portugueses, suponho que seja para não existir folgas em Outubro, Novembro e Dezembro. Mas não entendo o porquê de continuar a existir o dia de todos os Santos, como se nós civilização humana fossemos uns anjinhos.´


Os republicanos devem fazer uma manifestação e lutar para que o dia dos Monárquicos seja também dia de trabalho. O problema é que se isso suceder vamos ter uma resposta à altura dos defensores da bandeira azul e branca.


O que originará com certeza uma revolução.

domingo, 13 de novembro de 2011

Crónicas de Domingo - A democracia em risco

A recente substituição de Primeiros Ministros eleitos na Grécia e na Itália por tecnocratas que irão liderar governos de unidade nacional até às eleições antecipadas.
Esta nova forma de encontrar solução para as crises financeiras está a pôr em causa as próprias democracias.
Apesar de estarmo em crise, não deixa de ser curioso que ambos os Presidentes dos países afectados preferiram a via mais fácil em vez do acto eleitoral. Há quem diga que a escolha é dos mercados, outros preferem esta solução a uma crise política. A verdade é que em alturas de crise é preciso um governo para que as medidas de austeridade passem no Parlamento.
O que se vai passar a seguir é uma incógnita porque a solução adoptada pode muito provavelmente ser uma prática recorrente.
Tendo em conta o descrédito em que os partidos politicos e o sistema em geral estão, não é de descurar a possibilidade de nenhum partido politico conseguir uma maioria parlamentar que lhe permita governar à vontade.
Assim, a solução de um governo de coligações envolvendo vários partidos pode muito bem ser uma realidade no futuro em muitos países europeus. Portugal incluido.
Se essa for a solução adoptada, a própria democracia está em risco porque diminui a possibilidade de existir uma oposição que apresente alternativas.
Neste momento, todas as hipoteses são possíveis mas há uma certeza : o futuro é incerto.

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Contra o Continente Marchar Marchar

Jardim tomou hoje posse para o seu ultimo mandato como Presidente do Governo Regional da Madeira.
Apesar de ter dito que irá cumprir os quatro anos, é muito provavel que hoje Alberto João terá feito o seu ultimo discurso de tomada de posse.
Disparou em todos os sentidos, mas desta vez já houve mudanças em relação ao passado.
Passos Coelho não foi convidado. O Partido de Jardim é sempre e só a Madeira. E o mais engraçado é o facto dos funcionarios publicos poderem ter tolerância para assistir ao discurso do Grande Lider. Nem em Cuba atitude de desrespeito seria alguma vez tomada.
Infelizmente o Grande Lider Madeirense ainda terá quatro anos de maioria absoluta no Parlamento, será o suficiente para fazer o que entender dentro da Ilha, mas em relação ao Continente, hoje ficou provado que haverá mudanças no que toca a dinheiros....

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

A Europa como o Médio Oriente

A recente crise que assola a Europa só tem comparação com aquilo que se passa no Médio Oriente.

Salvo as devidas diferenças e momentos históricos distintos, a verdade é que o Velho Continente também está a passar por momentos de grandes mudanças a nível económico, social e político.

Depois do governo irlandês e português terem caído devido à crise financeira, eis que num ápice Papandreou se demite e o padrinho Berlusconi parece que é desta que vai cair. Só mesmo a crise para derrubar Il Cavaliere, coisa que os escandalos sexuais não conseguiram fazer.


Esqueci-me da Espanha onde a mudança de governo está iminente.


De facto, a crise não derrubou ditadores mas fez cair lideres históricos e com enorme mediatismo. Não foi preciso capturar, matar ou perseguir quem deteve o poder durante anos, mas esta situação acontece também devido à permissividade e asneiras dos governos derrotados. A isto estão ligados fenómenos como o clientelismo e a corrupção.


A próxima etapa será restituir a confiança nos cidadãos e criar condições para a Europa volte a ter a força de outrora, sob pena de ser preciso reconstruir uma sociedade durante anos. À semelhança do que está a acontecer no Médio Oriente......


Para isso é necessário mudar Merkel e Sarkozy

sábado, 5 de novembro de 2011

Seguro de si.

O sentido da votação por parte do PS no OE está a causar disturbios dentro do próprio partido.
A partir do momento em que OE for aprovado com a abstenção do PS, as críticas ao actual lider socialista vão subir.
Em primeiro porque uns consideram que é um favor ao governo.
Outros dirão que se trata de um voto anti-social no sentido que Seguro está a votar um diploma com medidas que prejudicam os mais fracos. Aí se levantarão as vozes do costume : Manuel Alegre e os Socráticos.
Não percebo como é que os apoiante de Socrates estão contra este OE. Eles que beneficiaram do apoio do PSD aquando dos vários PEC´s e do OE do ano passado.
Por outro lado, Seguro está amarrado ao acordo da troika assinado por.....Socrates!
É Seguro que a partir do momento da votação não será o governo que estará em foco, mas sim António José.
Independentemente dos ataques vindos dentro do próprio partido, Antonio José Seguro está a ser coerente e agir de acordo com os interesses do país.
Faz muito bem!

quarta-feira, 2 de novembro de 2011

Ai a Grécia....

E a Grécia a colocar a Europa e o Mundo em sobressalto, pois já não faltava o facto de estar tudo atento ao desenrolar da situação da dívida grega e eis que Papandreou saca uma da manga e resolve abanar com tudo e todos.


Agora veio a questão do referendo. Como sempre Merkel e Sarkozy dizem que não e ameaçam com o corte financeiro. Os gregos aplaudem a atitude do PM e de certeza que vão votar não. O resto dos países estão atentos sem saber o que fazer e se seguirão o mesmo caminho.


Em Portugal a Esquerda é a favor de uma solução em Portugal, a Direita contra. Resta ouvir Cavaco Silva.


Se a solução passar na Grécia é o fim, dizem uns. Outros afirmam que é a melhor solução.


Os Estados Unidos desta vez não se querem meter porque acabaram de sair da Libia. A NATO não tem dinheiro para mais nenhuma intervenção militar e a China ri-se enquanto vai metendo dinheiro de lado para ajudar a Europa mais dia menos dia. Felizmente que Kadafi já não está entre nós.


Com ou sem referendo, a Grécia vai entrar em bancarrota, isso é uma certeza. Não percebo porque é que não se fala da Irlanda...será porque é um caso de sucesso?


Mas para Papandreou chegou a hora do povo decidir o seu destino.

terça-feira, 1 de novembro de 2011

A lata de Sarkozy

Na semana passada o Presidente Nicholas Sarkozy afirmou que foi um erro admitir a Grécia à moeda unica.
Ora, esta é mais uma declaração infeliz do actual presidente da Republica francesa. Vir nesta altura de profunda crise grega e europeia com uma declaração destas não ajuda à solidariedade e união que a Europa tanto precisa.
Por aqui se vê como a Europa está a ser governada : de forma arrogante e despreocupada por Berlim e Paris.
Numa altura em que é preciso união e solidariedade não é de bom tom vir com estas palavras. Só traz desânimo e pessimismo para quem tenta travar uma luta contra a falência mas também aos mercados financeiros que tanto seguram o sr Sarkozy.
Daqui a algum tempo teremos o Presidente francês ou a Senhora Merkel a dizer o mesmo de Portugal. Sim, porque a Irlanda está a cumprir, a crescer e tudo isto sem austeridade.
Esperemos que nas próximas eleições os franceses também analisem as declarações do seu actual presidente na hora de votar.
É preciso uma força de bloqueia na Europa que trave esta arrogância franco-alemâ