sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Isaltinex

O caso Isaltino é mais uma das brincadeiras da nossa justiça. A detenção ontem foi festejada por meio mundo que quer aqueles que são corruptos atrás das grades. O país real e virtual viu um dos dinossauros da nossa política a seguir directamente para os calabouços da Polícia Judiciária por onde já passaram Vale e Azevedo, Carlos Cruz entre outros.

Neste país há "festival televisivo" sempre que alguém famoso é detido. Depois é mais do mesmo : alguém vem dizer que existe uma irregularidade qualquer, o tribunal que ordenou a condenação é contrariado por um outro colectivo de juízes. Mas antes o advogado de defesa vem para a comunicação social fazer barulho como forma de pressão. Mais tarde, o detido é libertado após ter almoçado e feito uns contactos na choça.

Após a liberdade, este vem para a comunicação social vitimizar-se. Quando estamos perante um autarca essas declarações são o principio de vitória numas eleições futuras.

Infelizmente o nosso país funciona assim. Culpa de quem? Da justiça pois claro, porque os visados fazem o seu trabalho.....

É por estas e outras que a justiça no nosso país está descredibilizada, isto para além dos gritos do bastonário da Ordem e da falta de um Ministro que seja capaz de fazer reformas acertadas.

Tal como o caso Vale e Azevedo, esta história de Isaltino é um autêntico atentado à dignidade humana. Se o ex-Presidente do Benfica teve 45 segundos em liberdade e depois voltou para a cadeia, Isaltino sai logo no dia a seguir. Aposto que não levou muda de roupa.

Quem sai a ganhar com as trapalhadas da justiça são os visados, que aos olhos do povo são vistos como herois ou coitadinhos que a justiça quis prejudicar deliberadamente.


Uma aposta pessoal

Depois de quatro anos a Olhar Direito e ter conseguido reunido uma equipa capaz de levar um projecto bloguístico a bom porto, decidi arriscar e ter um blogue pessoal.

Não deixarei de escrever no local do costume mas tendo em conta o número de posts e rubricas que o outro blogue decidi apostar numa vertente mais pessoal.


É obvio que a prioridade vai para o projecto que completa 4 anos neste mês em que entramos, mas aqui poderei falar sobre todos os assuntos que entender sem tapar outros. Isto quando o trabalho e o Olhar Direito me permitirem.


Será um registo meramente pessoal e tentarei neste espaço dar apenas e só a minha visão, esquecendo por um momento que vivemos em democracia.


Não terá a actualização que o OLHAR DIREITO tem, mas também não haverá muitos dias sem assunto para falar.